30/08/2010



Toda monotonia que aqui me traz
Segue-me, me perturba e não me deixa em paz
Todo descaso que o tempo me revela
É igual ao silencio daquela viela

Impotente, insignificante, sou eu contra o mundo
Todas as mudanças e as semelhanças
Tudo jogado na tua cara, moribundo!

O destino parece tão certo, tão perto
A mudança agora é a lei da vida
Mudar aquilo que já foi ferida
Tangível entre vai-e-vem
Tudo tão rápido, em 1 segundo de 0 a 100

Paradoxo da vida, certo aqui, errado ali
Ponto de partida, no pódio eu não subi

Momentos perfeitos, viagens loucas
Minhas idéias já não são tão poucas
Perdoe-me se o erro for meu
Mas a vida para nós já aconteceu

Lucas Ribeiro Arantes
30/08/2010

1 comentários:

  1. Estevan disse...:

    A profundidade do pensamento inspira e traz calma ao q sabem realmente escrever uma poesia.