30/09/2010



Eu te observo daqui do meu canto
Penso e vejo que eu te quero tanto
Desejo impossível chamado utopia
Era você a única que eu amaria

De longe eu te vejo com outro homem
Pessoa errada que você escolheu
Meus sentimentos por você jamais somem
Um homem sem medo, que não será seu

Não digo que indigno disso eu sou
Não foi em amar você que o coração errou
Apenas sei que seu eu nunca serei
No último dia de vida, direi que te amei

Lucas Ribeiro Arantes
30/09/2010

23/09/2010



Tuas palavras não me são mais tangíveis
Não sou mais digno de tua aura
Cometidos todos os erros possíveis
Algo que talvez não mais se restaura

Toda a minha vivência não me foi útil
Criando uma absoluta e falsa verdade
Imaginação de uma mente simplesmente fútil
Buscando verdadeiramente uma singela amizade

Minha vida não faz sentido nessa mentira
Meu corpo exala toda a raiva e a ira
De tentar e tentar, e ver que ainda não
De não conseguir completar uma simples missão

Todo o significado de sorrir se perdeu
Pois não posso mais seguir um único passo seu
Trazer-te a felicidade tão fácil parecia ser
Não pensei que para isso, eu precisaria morrer

Lucas Ribeiro Arantes
23/09/2010

22/09/2010



A falta de felicidade que me possui
Jogada no vento que por aí flui
Tão minha quanto sua, quanto nossa
No último sorriso que não se esboça

Todo o gingado, toda a destreza
Formas simples de se expressar
Meu corpo agora sente apenas fraqueza
Consumiu o único ar que tinha para respirar

Levando a si mesmo ao precipício
Considera sua vida ser um desperdício
Viu que os seus erros são pertinentes
Que suas buscas são permanentes

Descobriu procurar algo tão distante
Distante como uma planta do chão
Distante como o vento do furacão
Distanciava a alma de seu coração

Descobriu ser apenas mais um na estante

Lucas Ribeiro Arantes
22/09/2010

17/09/2010



Busco junto a mim o seu corpo quente
Você me vem toda sorridente
Minhas mãos procuram tua nuca
Vamos sentir essa coisa maluca?

Você é todo meu sexo, drogas e Rock and Roll
É meu chão, minha razão, minha loucura
Juntos em algo que apenas começou
No caminho dessa insana aventura

Excitação mental agora me contagia
Me mostra todo o bem que te fazia
Expele de seu corpo um último suspiro
Eu olho para aquilo e fortemente me admiro

Lucas Ribeiro Arantes
17/09/2010

13/09/2010



Olho para trás, nós dois é o que eu vejo
Tua presença agora não passa de um desejo
Domina todo meu corpo, toda minha mente
Dissolve-me no mesmo ciclo, lentamente

Desejo que um dia foi muito real
Realidade velha que se tornou lembranças
Infância aquela que foi tão especial
Sinto falta de quando éramos crianças

Tudo agora é apenas questão de momento
Só me resta aqui o seu velho cata-vento
Adeus querida, até um dia qualquer
Fique sabendo que te amo, mulher

Lucas Ribeiro Arantes
13/09/2010

12/09/2010



Objetivos, razões, tudo me vem à tona
Vejo que novamente fracassei
Que mais uma vez não consegui

Tudo que fiz parece tão inútil
Todas as tentativas, todas as batalhas
Talvez já não exista mais força
Desacreditei de que fosse possível

Anos e anos no mesmo caminho
Buscando algo que não existe
Procurando respostas para as mesmas perguntas
Indo atrás de coisas sem fundamento

Buscando apenas uma resposta
Buscando saber quem sou

Lucas Ribeiro Arantes
12/09/2010

Primeira Poesia !

Eu estava arrumando umas coisas antigas, e achei um livro, de uma antiga escola que estudei. O nome dele é: Nossas Palavras, escola Walter Fortunato 2007.
Na época tinha um concurso de poesias, onde eram escolhidos os melhores de cada série. Eu participei e acabei vencendo. Quem diria, minha primeira poesia foi há 3 anos. Quero compartilhar ela com vocês. Sim, eu não sabia escrever e era um noob, mas mesmo assim venci haha. O mais importante é o valor dela para mim. Aí vai ela:

Pessoas matando,
pessoas morrendo,
crianças chorando,
onde está o amor desses que se dizem "humanos"?

Para que guerrilhar
se, no nosso mundo,
há espaço para todos?

Pais desesperados
não sabem onde estão seus filhos,
mas, onde menos esperam,
eles podem estar.

Em um mundo sem paz,
é preciso amar.
Fazer uma flor brotar.

Lucas Ribeiro Arantes
??/??/2007

30/08/2010



Toda monotonia que aqui me traz
Segue-me, me perturba e não me deixa em paz
Todo descaso que o tempo me revela
É igual ao silencio daquela viela

Impotente, insignificante, sou eu contra o mundo
Todas as mudanças e as semelhanças
Tudo jogado na tua cara, moribundo!

O destino parece tão certo, tão perto
A mudança agora é a lei da vida
Mudar aquilo que já foi ferida
Tangível entre vai-e-vem
Tudo tão rápido, em 1 segundo de 0 a 100

Paradoxo da vida, certo aqui, errado ali
Ponto de partida, no pódio eu não subi

Momentos perfeitos, viagens loucas
Minhas idéias já não são tão poucas
Perdoe-me se o erro for meu
Mas a vida para nós já aconteceu

Lucas Ribeiro Arantes
30/08/2010