A última poesia



Minha imagem não vai existir mais
A alma vai indo embora por sofrer demais
O espelho do destino agora está vazio
Sinto apenas no pescoço um corte frio

Feito daquelas mágoas que você me deu
Um problema que nunca foi seu
Afinal você não liga para o mundo
Com todo seu egoísmo guardado lá no fundo

A lâmina está fazendo seu corte final
Cortando a artéria, que dor infernal
Mas a dor passará em um instante
Não vai ser que nem a dor antes abundante

Do infinito, eternamente sua alma observarei
Que só vai mudar quando fatalmente se machucar
Para pagar pelo dia que eu por você chorei
Ai quem sabe, um dia você seja capaz de amar

Você era a minha pedra preciosa preferida
Mas de tanto lapidar, consegui encontrar carvão
E descobri que amei alguém que não existe
Não dá mais, desse mundo esse corpo desiste
Apenas mais um sentimento que foi em vão
Só te digo adeus, minha querida.

Lucas Ribeiro Arantes
12/07/2010

0 comentários: